Terapia Ocupacional | Desenvolvimento da Motricidade Fina


Jan 24, 2017

 

Todas as crianças apresentam ritmos próprios de desenvolvimento. Umas desenvolvem mais facilmente a fala, demonstrando menos aptidão para atividades motoras, outras demonstram desde cedo aptidão para as atividades físicas, sendo mais dificil adquirir a fala. Ainda assim são estabelecidas algumas etapas, no caso relativos ao desenvolvimento da Motricidade Fina, que permitem perceber o desempenho da criança nas determinadas áreas. É importante que se entenda que pode existir diferenças de criança para criança.

Seguem-se assim algumas dessas etapas salientando que as faixas etárias descritas apresentam grandes intervalos, onde a criança desenvolve várias competências em simultâneo. Sempre que exista preocupação ao nível da motricidade fina deve consultar um técnico de saúde como um pediatra ou um terapeuta ocupacional.

 

3 meses: 

Pode ser capaz de:

  • Brincar na linha média coordenando os olhos e as mãos para alcançar um objeto;
  • Realizar carga nos braços enquanto segue com os olhos o movimento da mãe.

8 meses:

Pode ser capaz de:

  •  Usa as duas mãos e os olhos para segurar e explorar o cubo;
  •  O dedo indicador começa a apontar.

12- 18 meses:

  •  Começa a mostrar preferência por uma mão, quando quer agarrar algo.

2 anos: 

  • A criança já apresenta preferência por uma mão.

3-4 anos:

  •  Apresenta clara preferência pelo uso de uma mão e já pode fazer preensão trípode ( utiliza os três primeiros dedos para segurar algo);
  • Consegue imitar traços, mas quando desenha, o braço ainda não apoia na mesa, realizando movimentos utilizando o ombro como “suporte” e não o braço e antebraço.

4-5 anos:

  • A criança aumenta a capacidade de fazer movimentos aperfeiçoados da mão.

5-6 anos:

  • A dominância manual deve estar definida.

 

Como já vimos o desenvolvimento motor fino, é a capacidade de usar a mão e os dedos de forma precisa, de acordo com a exigência da atividade e as competências necessárias para manipular um objeto. 

Por norma, só quando a criança integra a pré-escola é que se começa a falar no desenvolvimento da motricidade fina. É também nesta altura que se toma mais atenção à forma como pinta dentro dos contornos, corta com a tesoura, cola, pega no lápis, aperta botões, come com talheres, entre outros.

Confira em cima nas imagens a evolução da capacidade de preensão da caneta de acordo com a faixa etária até à idade escolar.

 

Dúvidas, questões e informações em educacao@acip.com.pt ou pelo telefone  252 928 610. 

 

Acompanhe ainda a nossa página do facebook através do link https://www.facebook.com/acip.cooperativa/