Terapia da Fala | 15 dicas sobre a Gaguez


Oct 22, 2017

 

Dia Internacional da Gaguez | 22 de outubro 

 

A Perturbação da Fluência também designada no senso - comum como gaguez consiste na perturbação da fluência normal e no padrão temporal da fala, que se apresenta inadequada para o indivíduo.

A gaguez não define a personalidade, mas, muitas vezes, é usada como característica para definir a própria identidade. Apesar da gaguez não ter cura pode ser moldada e suavizada, de forma a atenuar a sua presença.  

Toda e qualquer pessoa à exposição de meios menos confortáveis pode experienciar momentos de maior stress, provocando episódios de disfluência durante o discurso.  

A prevenção, o diagnóstico precoce e a intervenção atempada podem evitar que a gaguez se torne crónica e, por isso, a orientação aos pais/cuidadores é considerada um fator fundamental.

 

Há várias situações em que é normal gaguejar:

• Quando a criança está a aprender a falar;

• Quando diz palavras difíceis;

• Quando está nervoso, com medo ou ansioso;

• Quando quer dizer várias coisas ao mesmo tempo.

 

Os comportamentos primários mais frequentemente encontrados são:

  • Repetição de sons, sílabas, partes de palavras e palavras;
  • Prolongamentos ou encurtamento das sílabas;
  • Pausas, hesitações e/ou bloqueios entre as palavras;
  • Comportamentos associados: Tensão muscular ou tremor (nos lábios, mandíbula, língua e pescoço), bater o pé, piscar os olhos e virar a cabeça;

 

15 dicas para falar com pessoas que gaguejam:

  • Olhe para a criança enquanto ele fala consigo;
  • Mostre interesse, valorizando o que ele tem para dizer e não só a forma como o faz;
  • Não aconselhar a ter calma, a falar devagar, a estar à vontade;
  • Aceite um certo nível de disfluência no discurso;
  • Evite comentários como “tem calma e fala devagar”, “pensa antes de falar”, “espera até conseguires dizer”. Com estes pedidos estamos muitas vezes a tentar sugerir uma forma mais fácil de falar. No entanto, ele nem sempre é capaz de o fazer. Por outro lado, pode senti-los como uma crítica negativa à forma como fala;
  • Esperar pacientemente que a pessoa com gaguez termine de falar e não se desconcentrar do conteúdo da mensagem;
  • Não concluir frases ou palavras. Isso prejudica uma vez que nem sempre ajuda a pessoa, ou está de acordo com o que era para ser dito;
  • Quando não se entende a mensagem é preferível pedir delicadamente para repetir o que havia dito a responder algo descontextualizado;
  • Sirva de modelo, falando de forma lenta e descontraída. Poderá também ler para ele de uma forma relaxada;
  • Controle as suas reacções: expressões de desagrado ou preocupação; suspiros; movimentos revelando stress, riso, etc. Procure agir do mesmo modo caso ele esteja a falar de forma fluente ou disfluente;
  • Encoraje-o a falar frequentemente, mas não a obrigue a conversar caso ele não queira;
  • Falar abertamente sobre a gaguez;
  • Não o super proteja. Use a mesma disciplina como com qualquer outra criança;
  • Promova a sua auto-confiança, reforçando-a por tudo aquilo que ele faz bem. Nas situações de fala reforce aquilo que ele diz e não a forma como o diz. A ausência de períodos disfluentes não deverá ser reforçada uma vez que estaremos a chamar a atenção para a mesma, criando-lhe mais responsabilidade em situações futuras de fala;
  • Se a criança atravessa um período de grande disfluência proporcione-lhe experiências positivas de fala tais como canto, rimas, fala com ritmo, imitação de vozes, fantoches, sussurro, entre outros.
 
 

 Qualquer tipo de dúvida que queira ver esclarecida envie email para educacao@acip.com.pt